NOTÍCIAS

El Salvador: Ferrugem do café ameaça com mais pobreza

por Revista Cafeicultura:

El Congo, El Salvador, 17/12/2015 – Sentada diante de um promontório de grãos de café que acaba de colher, Isly Membreño separa desesperançada os verdes dos maduros (vermelhos), lamentando a má colheita e o magro salário que recebe por dia. A ferrugem do café (Hemileiavastatrix) infectou a fazenda onde trabalha, assim como contaminou o resto do país e da região centro-americana.

“Tem menos café para colher, e no fim há menos dinheiro para nós”, lamentou Membrenõ, uma das 30 pessoas que trabalham na colheita na fazenda Montebelo, no cantão de mesmo nome, jurisdição de El Congo, no departamento de Santa Ana. Esse fungo ataca as folhas do café, as deixa amarelas e secas até caírem, e o fruto não amadurece.

A cafeicultura gera cerca de 150 mil empregos diretos e 500 mil indiretos, segundo o informe O Cultivo do Café em El Salvador 2013, elaborado pelo governamental Conselho Salvadorenho do Café (CSC). Entre 1995 e 2012, o setor representou 7,5% das exportações totais do país. O impacto direto da ferrugem do café ameaça empobrecer ainda mais a zona rural, onde 36% das famílias já vivem na pobreza, segundo a oficial Pesquisa de Famílias de Propósitos Múltiplos, de 2013.

Membreñocontouà IPS que, antes de a fazenda ser infectada, conseguia colher dois quintais (um quintal equivale a 92 quilos), e receber cerca de US$ 4 por cada um, conseguindo uns US$ 8 no final do dia durante os três meses de colheita.“Mas agora não consigo colher nem um quintal, ganho apenas US$ 3”, acrescentou.

A maioria dos diaristas contaram situação semelhante quando a reportagem da IPS visitou o terreno de propriedade privadacom 116 manzanas(uma manzana varia de seis mil a dez mil metros quadrados na América Latina). O clima também ficou ruim, com as prolongadas secas no inverno e chuvas no verão. “A chuva derrubou o café, e perdemos tempo recolhendo”, disse à IPS Sonia Hernández, mãe de três filhos e também diarista na fazenda.

Dados oficiais que o CSC publica em sua página na internet revelam que, na colheita 2013-2014, quando o fungo atingiu com violência, a produção caiu de 1,7 milhão de quintais, conseguida na safra anterior, para apenas 700 mil quintais. Nesse período, o pagamento dos diaristas caiu de US$ 21,6 milhões para US$ 8,7 milhões.A colheita 2014-2015 melhorou um pouco e chegou a 925 mil quintais. A projeção do CSC para a safra 2015-2016 é de 998 mil quintais, ainda abaixo dos níveis anteriores ao ataque da ferrugem.

“Se não tem colheita essa pobre gente não trabalha”, pontuou à IPS Manuel Morán, um organizador das tarefas, ou “mandador”, como tradicionalmente é conhecido nas fazendas.

O cantão Montebelo fica na cordilheira Apaneca-Lamatepec, e é propícia para o cultivo do grão, mas na região não há produção de milho nem de feijões, base da alimentação dos salvadorenhos. Assim, sem terra para colher nem dinheiro para comprar esses produtos, a segurança alimentar dessa comunidade está em risco. “Não temos onde plantar feijão ou milho, e nos mantemos com o que tem aqui, na fazenda”, destacouMembreño.

No país existem cerca de 19.500 cafeicultores, dos quais 86% são pequenos agricultores com propriedades inferiores a dezmanzanas,que representam 21% do total da produção nacional, segundo o informe do CSC. “Quando não é época de colher, nos dedicamos a coletar lenha, para nos mantermos, porque não há outra coisa aqui”, explicouMembreño, mãe de um menino de oito anos. Seu marido também se dedica às mesmas atividades.

Presente em El Salvador desde o final dos anos 1970, a ferrugem do café irrompeu agressivamente em 2012, mas os estragos foram evidentes no ano seguinte, sem que o governo ou os produtores estivessem preparados. “A doença nos pegou de calça curta” afirmou à IPS o pesquisador do governamental Centro Nacional de Tecnologia Agropecuária e Florestal (Centa), Julio Grande. Na fazenda Montebelo, ele estuda a biologia do parasita, a epidemiologia da doença e os fungicidas que melhor podem enfrentá-la.

Aposta-se em um tratamento integral da enfermidade, enfatizando a fertilização da planta, as podas e também o uso de fungicidas, explicou Grande. A conjugação desses três elementos pode dar bons resultados, completou.De fato, é possível verificar que, nas áreas onde foram aplicados os fungicidas, os cafezais se mantêm relativamente fora de perigo. “Os fungicidas funcionam, mas, se descuidarmos dos outros aspectos da equação, o efeito será limitado”, observou.

A renovação dos cafezais apresenta-se como uma resposta efetiva, porque as árvores mais velhas estão mais suscetíveis ao contágio, disse o pesquisador. Os cafezais de El Salvador são considerados velhos, com vida útil superior a 30 anos.Além de assistência técnica, fungicidas e outros insumos, o governo distribuiu,para 4.200 cafeicultores, aproximadamente oito milhões de mudas resistentes ao fungo, para iniciar um processo de renovação, afirmou à IPS Adán Hernández, gerente da divisão de café do Centa. Os produtores semearam por conta própria outros oito milhões, acrescentou.

Mas uma renovação em grande escala exigiria um forte investimento governamental para adquirir de viveiros privados os 300 milhões de mudas necessários para semear as 216 manzanas de cafezais de El Salvador, porém, de todo modo, não existe essa quantidade de semente à disposição. Em meio a essa situação, sentada diante dos grãos de café, IslyMembreño só tem uma coisa em mente: como sobreviver com US$ 3 por dia.

Notícias Relacionadas