NOTÍCIAS

Faturamento da produção agrícola deve crescer 7% em Minas Gerais

por CNC:

Em Minas Gerais, o Valor Bruto da Produção Agropecuária (VBP) previsto para 2016, com base nos dados de abril, foi estimado em R$ 55,4 bilhões, alta de 7% frente aos R$ 51,7 bilhões registrados no ano anterior. O resultado positivo em importantes produtos, como o café, soja e milho foram fundamentais para o crescimento. Os dados foram divulgados ontem, pelo Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa).

Segundo o levantamento, o VBP das lavouras mineiras ficou 15,11% superior na comparação com 2015, alcançando R$ 35,7 bilhões, frente aos R$ 31 bilhões. Já o resultado da pecuária recuou 5%, com o VBP estimado em R$ 19,6 bilhões.

O resultado positivo observado na agricultura se deve ao crescimento do VBP de produtos importantes influenciados pelos preços e volumes maiores. O VBP do café total, principal produto do agronegócio estadual, ficou 21,12% superior, com faturamento de R$ 13,24 bilhões. O grão tipo arábica apresentou expansão de 21,32% no VBP, R$ 13,1 bilhões. No café conilon a alta foi de 3,16%, com faturamento estimado em R$ 122,3 milhões.

A alta no VBP do café foi estimulada por uma safra mineira 28,1% superior à passada, podendo alcançar 28,14 milhões de sacas de arábica, segundo os dados da Companhia Nacional de Abastecimento (Conab). Os preços do café também estão maiores que os praticados no ano passado. Os dados do Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada (Cepea) mostram que em abril de 2015 a saca estava avaliada em R$ 430. Este ano, o valor está próximo a R$ 470, variação positiva de 9,3%.

Destaque também para a soja. O faturamento do produto cresceu 36,9%, somando R$ 5,52 bilhões. Além da safra 34,1% maior, com a colheita de 4,7 milhões de toneladas, os preços mais favoráveis contribuíram para o VBP maior. De acordo com a Empresa de Assistência Técnica e Extensão Rural do Estado de Minas Gerais (Emater-MG), a saca de 60 quilos foi comercializada em abril em torno de R$ 75, frente à cotação de R$ 60 praticada em igual mês de 2015, alta de 25%.

O VBP do milho também está maior. O faturamento do cereal foi estimado em R$ 3,57 bilhões, aumento de 18,8% no VBP. No período, houve valorização do produto no mercado. Com o aumento das exportações, favorecidas pelo real desvalorizado frente ao dólar, a saca do milho foi negociada, em abril, em torno de R$ 48, enquanto em igual mês de 2015 o mesmo volume custava R$ 28, alta de 71%. A produção total de milho será de 6,9 milhões de toneladas, volume apenas 1,5% superior ao gerado na safra 2015/16.

O VBP da produção de feijão para 2016 foi estimado em R$ 1,59 bilhão, aumento de 13,34%. O volume total de feijão a ser colhido na safra 2016/17, em Minas Gerais, será de 548,9 mil toneladas, alta de 7,1%.

Destaque positivo também para a produção de algodão, cujo valor bruto alcançou R$ 256,8 milhões, aumento de 14,9%. Na cultura da banana a alta no VBP foi de 30,3% com faturamento estimado em R$ 1,48 bilhão. O VBP da batata-inglesa foi calculado em R$ 2,46 bilhões, elevação de 34,8%.

Da cana-de-açúcar o VBP aumentou 1,5% e foi estimado em R$ 4,8 bilhões. O faturamento esperado para a produção de trigo é de R$ 169,7 milhões, valorização de 3,2%.

Dentre os produtos agrícolas que apresentaram recuo no VBP está o tomate, com faturamento 36,7% menor e faturamento estimado em R$ 1,6 bilhão. Com a cebola a queda foi de 8,32%, fazendo com que o VBP recuasse de R$ 446 milhões para R$ 409 milhões em 2016.

Pecuária – Os dados divulgados pelo Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa) mostram que o VBP da pecuária foi estimado em R$ 19,6 bilhões para 2016, retração de 5% frente a 2015, quando o faturamento setor ficou em R$ 20,68 bilhões.

Dos produtos que compõem o setor, apenas os bovinos mantiveram os resultados positivos. O VBP ficou 2,8% maior e estimado em R$ 6,6 bilhões. No período, o VBP da produção de suínos caiu 10,8% fazendo com que o faturamento recuasse de R$ 1,9 bilhão, para R$ 1,69 bilhão em 2016.

Os resultados da produção de leite também foram negativos, com queda de 10,98% no VBP que foi estimado em R$ 6,78 bilhões. Na produção de frangos o recuo foi de 2,8% com faturamento de R$ 3,43 bilhões. O VBP dos ovos foi calculado em R$ 1,12 bilhão, retração de 6%.

Notícias Relacionadas