NOTÍCIAS

Produção de café da África deve se manter alta

por CaféPoint:

A produção de café da África se retrairá com relação aos recordes que alcançou em 2016/2017, mas permanecerá alta, impulsionada por uma subida dos produtores a altitudes maiores devido aos medos relacionados à mudança climática.

Os quatro principais países produtores da África – Etiópia, Quênia, Tanzânia e Uganda – verão uma queda na produção de quase 1,0 milhão de sacas, para 11,97 milhão de sacas, para 2016/2017, informou o Departamento de Agricultura dos Estados Unidos (USDA).

O declínio refletirá em uma queda na produção de grãos arábica – que representam a maioria da produção da África e são originários da Etiópia – e das colheitas de grãos robusta em alguns países, como uma ressaca da colheita mais recente.

Os cafezais têm um hábito, a menos que sejam cuidadosamente manejados, de mostrar ciclos de anos de maior e menor produção, alternados.

Mesmo assim, a colheita de 2016/2017 – se cumprir com as expectativas do USDA – ficará em segundo lugar entre as maiores já registradas, atrás apenas do recorde de 2015/2016, que foi de 12,91 milhões de sacas, bem mais que as expectativas iniciais.

De fato, a produção na Etiópia, maior produtor da África, deverá continuar resistindo ao ciclo bianual de produção e aumentar pelo nono ano sucessivo, mostrando um pequeno aumento, para um recorde de 6,52 milhões de sacas, disse o USDA. O aumento reflete em grande parte o crescimento na produção comercial, enquanto a produção de café produzido em floresta e de menor rendimento no sudoeste do país declina.

O governo da Etiópia também está apoiando medidas para aumentar os rendimentos que, em 0,7-0,8 toneladas por hectare, são metade dos rendimentos do Brasil.

Entretanto, o USDA também notou uma mudança pelos produtores para áreas mais elevadas, em um esforço de escapar da mudança climática que “alguns pesquisadores acreditam que levará a maiores níveis de doenças e pestes do café”, além de mudar as condições de produção.

“A mudança climática é considerada como uma ameaça crescente ao futuro da indústria de café do país”, disse o USDA, acrescentando que os cafezais de café arábica, que são toda a produção da Etiópia, são mais vulneráveis às mudanças na temperatura do que os robustas.

“Os pesquisadores postularam que a produção de café da Etiópia poderia mudar para elevações mais altas à medida que a temperatura aumentasse. De fato, há reportadamente pequenos produtores que começaram a produzir café em áreas que anteriormente não eram adequadas para a produção”, disse o USDA, notando que o governo da Etiópia está apoiando pesquisa sobre variedades de café “adaptáveis à mudança climática”.

Os comentários vieram em meio às preocupações em outros países produtores de café sobre a ameaça do aquecimento identificada por muitos cientistas e que o climatologista, Jeffrey Sachs, disse no ano passado que está trazendo uma “perda significativa” em áreas produtoras.

A produção de café no Quênia aumentará em 2016/2017, recuperando-se dos níveis da última colheita que, em 650.000 sacas, foi a menor em mais de 50 anos, afetada pela seca, causada pelo El Niño, bem como pelos maiores custos de mão de obra e pelas perdas em áreas de plantação para o desenvolvimento.

“Programas que são voltados a abrir novas áreas de produção e reabilitação de fazendas abandonadas continuam sendo implementados por regiões e pelo governo nacional”, disse o escritório do USDA em Nairobi. Entretanto, a produção em Tanzânia cairá em 200.000 sacas, para 1,05 milhão de sacas, “devido ao ciclo bianual”.

Em Uganda, a colheita de 2016/2017, de 3,7 milhões de sacas, cairá em 800.000 sacas com relação ao recorde de 4,5 milhões de sacas da última colheita, com o declínio também “devido ao ciclo bianual”.

Previsões de exportações

Os declínios na produção resultarão em queda nas exportações também dos quatro países, apesar de, com um volume combinado de 9,21 milhões de sacas, ainda ser o terceiro maior já registrado.

As exportações em 2015/2016 foram previstas em 9,39 milhões de sacas, enquanto o recorde foi em 1996/1997, de 9,50 milhões de sacas.

De fato, o recente aumento da produção na África contrasta com o declínio de longo prazo nos retornos com café com relação aos picos anteriores alcançados em meados dos anos noventa.

As informações são do Agrimoney/ Tradução por Juliana Santin

Notícias Relacionadas