NOTÍCIAS

Revista Cocapec: Intoxicações em bovinos

por Revista Cocapec:

Paulo Correia / Médico Veterinário – Uniagro/Cocapec – Mestre em medicina veterinária

Aproximando a época da seca, com ausência de pastagens verdes, é comum o criador de gado leiteiro ou de corte, se preocupar com as intoxicações de seus animais. As intoxicações alimentares apresentam um índice mais elevado, porém outras de origens externas também ocorrem.

O uso incorreto de defensivos agrícolas e fertilizantes, e também a variedade de plantas potencialmente tóxicas, associadas à curiosidade particular dos bovinos de lamber “coisas” novas ou diferentes, quando criados em um local de risco potencial, pode levar estes animais a uma intoxicação.

Geralmente, isso é acidental, ocorrendo por parte de erro, ignorância, negligência ou então má fé.

 

 

 

Acidentes mais comuns:

–     Sal mineral proteinado (com uréia)

–     Casinhas de adubos com acesso dos animais

–     Aplicação de herbicidas na pastagem ou próximo a ela

–     Pastos dividindo com plantações

–     Esgotos de pia de cozinha (detergentes)

–     Poluição industrial

–     Pulverizações ou imersão no combate a ectoparasitas.

O início da doença está relacionado ao manejo dos animais afetados como: mudança na dieta, trocas  de pasto, prática de manejo agrícola junto às instalações de gado ou esquecendo a porteira aberta, combate a alguma praga em pastagens ou mesmo aplicando herbicidas ao lado das cercas dos piquetes, aspersão ou banho de imersão de carrapaticidas e bernicidas em dosagens erradas ou nas horas quentes do dia, falta d’agua nos bebedouros e os animais procuram outros meios de saciarem a sede.

A intoxicação pode variar em termos de gravidade, morbidade e mortalidade. Na maioria das vezes ocorrem em casos discretos, e com frequência, passam despercebidos.

Os sintomas no animal variam dependendo da substância envolvida, a dose ingerida ou absorvida, a idade do animal e o tempo de exposição ao produto. Podem ser sinais clínicos de uma intoxicação: diarreia, cólica abdominal, salivação intensa, timpanismo, micção frequente, vômito, depressão, hipersensibilidade, convulsões, cegueira, fotossensibilização, hematúria, hemoglobinúria, definhamento, coma e morte súbita.

São varias as substâncias químicas que levam a uma intoxicação, como: organofosforados, uréia, ionóforos, chumbo, fluoreto, cobre, cianeto fluoreto e nitrato (plantas tóxicas) e raticidas(warfarin).

O diagnóstico de um animal intoxicado é sempre bem complexo como também grande parte dos tratamentos. Muitas vezes se chega a um diagnóstico definitivo após a necropsia e com auxílio de exames laboratoriais. Portanto, devemos sempre ter cuidados evitando acidentes desta natureza.

 

Notícias Relacionadas